quinta-feira, 28 de abril de 2011

O MINISTRO DE MÚSICA...

Como parte de integrante de um ministério de música, senti enorme necessidade de escrever sobre o que considero importante num ministro de música, porém, antes gostaria de adentrar em uma questão que se faz primordial não só a quem ministra música na igreja, mas a todos os que fazem parte do corpo de Cristo...ADORAÇÃO!
Muito se confunde sobre o real significado do que seja adoração...alguns acreditam que adorar a Deus é entoar cânticos...outros crêem que adoração é um tipo de música... “temos as de júbilo e as de adoração”... outros ainda acham que adoração está ligada ao serviço na igreja, ou que seja o prestar culto dominical...
      Precisamos antes de mais nada compreender que a adoração é propósito de Deus em nossas vidas...e seu significado não se limita a expressões artísticas ou ministeriais. Nós fomos planejados para agradarmos a Deus, assim, a adoração a Deus não é parte de nossa vida, ela é a nossa vida!
Adorar a Deus é render-se a Ele, fazer Sua vontade, valorizar o que Deus valoriza.
     Como fala Rick Warren em Uma vida com propósitos... “o xis da questão é uma questão de coração”. Deus nos quer por  inteiro... isso é adoração! É consagrar quem somos e buscarmos uma intimidade com Deus de forma autêntica, espontânea, integral, realizando o Seu querer em nossa vida, confiando nEle.
     Uma vez entendendo o que seja a verdadeira adoração, gostaria de me dirigir aos que exercem funções no ministério de música...
     A Música de fato é uma das muitas maravilhas de Deus, as preferências podem até ser diferentes, mas todo ser humano aprecia a música e cada raça, região ou país expressa-se através de uma linguagem musical.... Em Sua soberania, o Senhor deu capacidade ao ser humano de desenvolver sons e melodias.
    Assim, precisamos compreender que a música desempenha um papel fundamental na igreja, ela não só é uma expressão de adoração, como também um instrumento que viabiliza o trabalhar de Deus na vida das pessoas...a música conduz outros à momentos de adoração, o louvor liberta, traz cura, consolo, anuncia as boas novas...enfim, o louvor autêntico deve ser a expressão de um  coração consagrado ao Senhor! E um coração consagrado ao Senhor pode ser instrumento de verdadeiros milagres.
    Sendo assim, listei algumas características que considero primordiais a um ministro de música:
1. O ministro de música deve ser uma pessoa que verdadeiramente ande com o Senhor, ser salvo, e ter um chamado para aquilo.
2. O ministro de música deve ser um dedicado estudioso da Bíblia, afinal de contas precisamos saber o que estamos cantando, se as músicas estão alinhadas com a Palavra de Deus.
3. O ministro de música deve ser uma pessoa de oração, temente a Deus e atento à Sua voz.
4. O ministro de música deve ser alguém sociável, capaz de demonstrar confiança e autoridade.
5. O ministro de música além de dedicado estudioso da Bíblia deve ser dedicado estudioso do seu instrumento, ter habilidade como instrumentista ou cantor, buscar excelência no que faz, isso não quer dizer ser perfeccionista, ou ser muito muito bom para entrar no ministério a qual foi chamado...absolutamente não...isso quer dizer que o ministro deve  buscar oferecer à  Deus e à comunidade o melhor, a melhor maneira da mensagem ser comunicada.
6. Um ministro de música deve ser humilde e submisso à autoridade.
7. Um ministro de música deve ser conhecedor do seu pastor, da liturgia do culto, da visão da igreja.
8. O ministro de música deve estar antes de tudo comprometido com a vontade de Deus, e com os propósitos dEle através de seu ministério.

De fato ainda existem inúmeras outras características inerentes ao ministro de música, mas para não ser demasiadamente extensa, aconselho o seguinte...atente-se ao seu coração, à sua vida de adoração, tendo sempre cuidado com atitudes incoerentes, o falso ritualismo, o pecado não confessado, o desinteresse, a ingratidão, a falta de compromisso, a preguiça, a negligência...
Lembre-se sempre: O xis da questão é uma questão de coração!

“o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça” Números 6:25

quarta-feira, 27 de abril de 2011

CRESCENDO EM MATURIDADE...

“...que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.” Efésios 4.13-15

      Muito ouvimos falar sobre maturidade no universo cristão. O dicionário Aurélio define maduro como: amadurecido, sazonado, plenamente desenvolvido, refletido, prudente, que já não é moço.
      Mas em termos práticos e meditando sobre sua importância na fé cristã, podemos refletir que a passagem de Efésios 4 colocada logo acima, define bem o que seja maturidade.
Dela, podemos extrair alguns pontos fundamentais:
  1. Alcançar a unidade da fé. Isso significa ter união com os irmãos, tratar bem as pessoas, apoiar, suportar, cumprir o seu papel no Reino de Deus, ser incentivador, estimular, estar junto. Nunca difamar, não proceder mal, não invejar, não fofocar, não denegrir...
  2. Atingir a medida da plenitude de Cristo. Isto é, seguir Seu exemplo em tudo. Nos preceitos, nas ações, no andar, no falar, no agir. E em todos os lugares, não só na igreja!
  3. Que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Isso significa buscar estudar a Bíblia, estar atento aos ensinamentos de Deus, viver na verdade, pois quem vive na verdade consegue reconhecer uma mentira.
Buscar estudar a Bíblia é um fator fundamental para que possamos colocar em prática e sejamos refletidos, prudentes, maduros na Palavra. Hoje, a nossa comunidade, a PAES, nos fornece inúmeras ferramentas que nos ajudam a compreender a Palavra de Deus, a se aprofundar nela... temos os ensinamentos dos nossos sábios pastores, a Escola Bíblica Dominical, o ITEL, o Summit, as classes de crescimento, dentre outros...
  1. Seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Seguir significa viver de forma prática....Não basta só estudar a Bíblia, ter momentos devocionais, ou freqüentar a igreja e seus eventos ou classes. Aqui, seguir a verdade em amor, significa entender e viver o amor de Deus, tê-lo como Senhor, àquele que nos dirige. O nosso alvo!
      Frente a isso podemos dizer por exemplo que maturidade é conseguir controlar a raiva, buscando resolver divergências sem violência ou difamação. É ter paciência e disposição para abrir mão de um prazer imediato, com vistas a uma vantagem a longo prazo. É ter perseverança e esperança em meio às adversidades. É às vezes abdicar da sua vontade para atender às necessidades alheias.  É ter capacidade de enfrentar o desagradável e a decepção sem nos tornarmos amargos. É ter humildade. É saber dizer me desculpe, perdão, obrigada... É deixar o orgulho e a vanglória de lado. É ter credibilidade perante as pessoas, é ter integridade e cumprimento da palavra... Podemos citar inúmeros reflexos do que seja maturidade na vida de uma pessoa. Mas, precisamos entender que crescer em maturidade é afastar de nós tudo aquilo que nos faz imaturos!
      Os imaturos costumam sempre arrumar uma desculpa pra tudo, vivem sempre atrasados, sempre contam vantagens, vivem enroscados em promessas não cumpridas, amizades abaladas, assuntos inacabados...
      A minha proposta é que possamos refletir sobre nossas ações, se elas tem refletido a maturidade esperada por Deus ou se nossos passos são de contínuo vacilantes...
Para isso, você precisa entender que maturidade é um exercício, é um processo, é um crescer. Você não é perfeito, portanto não se aflija se cometer erros, afinal de contas você é um ser humano, mas que o desejo do seu coração seja sempre este: Seguir para o alvo, seguir para Cristo!

terça-feira, 26 de abril de 2011

O QUE DEUS ESPERA DE MIM?

   Lembrei-me agora de uma historinha que li certo dia desses...o autor era desconhecido, mas o nome da historinha era folha em branco e contava a história de uma classe de alunos da primeira série em dia de prova...imagine só a ansiedade dos pequeninos! Quando faltava mais ou menos uns 15 minutos para o encerramento da prova, um aluno levantou o braço, e disse: - Professora, a senhora pode me dar uma folha em branco?
    A professora levou a folha e perguntou porque ele queria uma folha em branco. O menino então respondeu: - Eu tentei responder as questões, rabisquei tudo, fiz uma confusão danada e queria começar outra vez.
     Apesar de saber que só restava apenas 15 minutos, a professora deu a folha, confiou no menino e ficou torcendo por ele. Aquela atitude causou simpatia.
     Hoje, lembrando daquela historinha, vi que podemos extrair dela uma grande lição. Quantas vezes recebemos uma folha, uma prova, que foi a vida que Deus nos deu, e só temos feito rabiscos, escolhas erradas e uma confusão danada...
    A despeito de tudo que possa parecer estar errado em sua vida, acho que este é um bom momento para pedir a Deus uma folha em branco; uma nova oportunidade para começar a fazer da maneira certa...Nunca é tarde para decidir acertar, só temos que deixar que antes de escrevermos na folha, antes de resolvermos a prova, o Mestre nos ensine. Ele está interessado em quem pede ajuda, portanto, só depende de você. Ele nos ensina, nós aprendemos e aí sim colocamos em prática aquilo que aprendemos.
    A vida cristã se baseia em alguns pilares fundamentais: oração, estudo e ação. Isso é o que Deus espera de você! Que você O busque em sinceridade de coração, desenvolvendo um relacionamento pessoal com Ele, que busque conhece-lo e assim conhecer a Sua vontade, e que coloque em prática a vontade dEle na sua vida, isso é o que costumamos chamar de estar no centro do vontade de Deus...Tudo isso requer atenção, dedicação e até esforço, mas traz consigo um prazer incomparável!
    Reavalie sua vida, veja o que precisa ser consertado, vamos lá....levante o braço, peça uma folha em branco, passe sua vida a limpo. Não se preocupe em ser o melhor da turma, ou em sempre ter que tirar 10, preocupe-se apenas em ser sincero e ter a simpatia do Mestre.

“Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito, ó Deus, não desprezarás”. Salmos 51.17

segunda-feira, 25 de abril de 2011

CEIA DO SENHOR: MOMENTO DE REVERÊNCIA, COMUNHÃO E ALEGRIA!

“Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças, partiu-o, e o deu aos seus discípulos, dizendo: "Tomem e comam; isto é o meu corpo".Em seguida tomou o cálice, deu graças e o ofereceu aos discípulos, dizendo: "Bebam dele todos vocês.Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados.Eu lhes digo que, de agora em diante, não beberei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o vinho novo com vocês no Reino de meu Pai". Mt. 26.26-29

Pensei em escrever sobre a Ceia do Senhor na quinta feira da Semana Santa, afinal de contas, foi na quinta-feira que Jesus partilhou Sua última refeição ao lado dos discípulos, foi naquela quinta feira que Jesus estava a celebrar a Páscoa, festa de maior importância no calendário judaico, foi naquela quinta que a Páscoa perfeita seria “desvendada”.
A liturgia da Ceia gira em torno de uma refeição feita geralmente em família, porém, cada elemento contido nela tem um significado sobre os diferentes aspectos da escravidão no Egito e do êxodo.
O cordeiro pascal representava a proteção e provisão de Deus por seu povo.
As ervas amargas representavam todo o sofrimento que Israel suportou na terra do Egito, terra de escravidão.
Os pães sem fermento representavam a rapidez da partida.
E ano após ano a tradição da Páscoa e sua história é recontada e narrada no seio familiar ao momento da celebração da Ceia para que nunca seja apagada da memória do povo quão grande e libertador é o Deus de Israel.
Jesus se valeu dos recursos e significados daquela comemoração para que quando celebrássemos a Páscoa nos anos vindouros, pudéssemos entender o significado completo do que havia ocorrido naquela ocasião.
Jesus, o Cordeiro de Deus, repartiu o pão com seus discípulos, que simbolizaria o Seu corpo. O vinho, que antes representava a alegria, agora era símbolo do sangue derramado para perdão dos pecados, motivo de verdadeira alegria para aqueles que aceitam beber desse cálice. Assim, a amarguez da escravidão do pecado já não mais existe para os que estão livres e justificados em Cristo Jesus.
Agora, passado o período pascal, toda vez que você celebrar a Ceia do Senhor, esteja  atento ao grandioso significado que ela representa, que você possa lembrar do sacrifício do Cordeiro de Deus, do sangue derramado para que eu e você estivéssemos livres da escravidão do pecado. Lembre-se sempre e comemore em reverência, comunhão e alegria, pois foi graças ao que aconteceu naquela Páscoa há aproximadamente 2011 anos atrás, é que podemos declarar: Eu sou livre!





domingo, 24 de abril de 2011

JESUS RESSUSCITOU! JESUS VIVE!

“No primeiro dia da semana, de manhã bem cedo, as mulheres tomaram as especiarias aromáticas que haviam preparado e foram ao sepulcro. Encontraram removida a pedra do sepulcro, mas, quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Ficaram perplexas, sem saber o que fazer. De repente dois homens com roupas que brilhavam como a luz do sol colocaram-se ao lado delas. Amedrontadas, as mulheres baixaram o rosto para o chão, e os homens lhes disseram: "Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive? Ele não está aqui! Ressuscitou! Lembrem-se do que ele lhes disse, quando ainda estava com vocês na Galiléia: ‘É necessário que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, seja crucificado e ressuscite no terceiro dia’ ". Então se lembraram das suas palavras” Lucas. 24.1-8

      Que alegria!!! Jesus ressuscitou! Ele vive!
      Ao chegar o domingo e observarmos o desfecho da paixão de Cristo, podemos contemplar quão maravilhoso é o amor de Deus! Em momento algum Ele titubeou, em momento algum Ele desistiu, em momento algum Ele se intimidou, em momento algum Ele entregou os pontos, ou jogou a toalha....Ele foi até o fim! Ele foi até o fim por você, por mim...
      Os fariseus tentaram calar Jesus, satanás tentou calar Jesus, o mundo tentou calar Jesus, mas nada pôde calá-lo, nada pôde detê-lo, nem mesmo a morte pôde segura-lo..."Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu aguilhão?" (I Co 15.55....Jesus venceu, Jesus vive!
Há um verso em Isaías 55.9 que considero um dos mais lindos da Bíblia, e diz assim...."Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos.”
      O projeto de Deus é perfeito, Ele sabia o que era preciso para que fôssemos redimidos. E Ele com seu imenso amor fez tudo que era necessário para que pudéssemos ter vida...
      Muitas foram as reações daqueles que andavam com Jesus, mas contemplar a Sua face, não mais entre os mortos onde fora colocado, mas vivo, ressurreto...nossa...aquilo mudou para sempre o rumo de suas vidas....
      Isso é o que acontece com todos que encontram-se com Jesus, que decidem caminhar com Ele...não há como nossas vidas não serem impactadas, não há como permanecermos os mesmos diante de tamanho amor...
      "Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3.16
      Você já parou pra imaginar que coisa grandiosa é o amor de Deus? Amor altruísta, amor perfeito, amor que pode preencher todas as lacunas, amor que só Deus pôde e pode dar...
O que você tem feito com esse amor que recebeu do Pai? Tem aceitado? Tem transmitido? Tem anunciado?
      Comemore, vibre, salte de alegria...Jesus ressuscitou, Jesus vive, Jesus te ama!

Glória a Deus...Hosana nas alturas!

sábado, 23 de abril de 2011

E AGORA?

                                                          “Eles estavam subindo para Jerusalém, e Jesus ia à frente. Os discípulos estavam admirados, enquanto os que o seguiam estavam com medo. Novamente ele chamou à parte os Doze e lhes disse o que haveria de lhe acontecer: "Estamos subindo para Jerusalém e o Filho do homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios, que zombarão dele, cuspirão nele, o açoitarão e o matarão. Três dias depois ele ressuscitará." Marcos 10.32-34
       A incógnita do sábado... Fico imaginando o que se passava na cabeça daqueles que andavam com Jesus...Jesus já os tinham advertido sobre o que iria acontecer...até que aconteceu!
Eles presenciaram o sofrimento, as zombarias, o tilintar dos chicotes, a morte na cruz... Não sabemos o que permeava suas mentes e corações frente à dor, à tristeza, ao sofrimento de ver o Seu amado morto.
      Pode ser que alguns tenham esquecido as palavras que Jesus tinha dito...”três dias depois ele ressuscitará”, pode ser que alguns lembrassem, mas diante do luto e sofrimento tão grande e sem ver qualquer saída tenham perdido a esperança de que isso aconteceria, pode ser que outros aguardassem ansiosamente o terceiro dia para ver o Cristo ressurreto, pode ser que alguns estivessem com um medo fulminante de que aquilo acontecesse com eles, seus seguidores, pode ser que tenha havido alguém como Tomé que precisaria ver para crer.
      Não sabemos de fato o que se passava na cabeça dos discípulos, de Maria, das mulheres que estavam sempre juntas à sua jornada, dos seguidores fiéis e até daqueles que titubeavam...O sábado...que dia longo não deve ter sido para eles....
      Mas a promessa tinha sido feita...afinal, “Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que se arrependa. Acaso ele fala, e deixa de agir? Acaso promete, e deixa de cumprir?” Nm. 23.19
     Aquele longo sábado seria coberto de regozijo com a chegada daquele inesquecível domingo...da vitória de Cristo sobre a morte, da Sua ressurreição, da consolação de Israel, da esperança de todos os povos presentes e vindouros...
      Mas quantas vezes vivemos aquele sábado em nossas vidas, quando olhamos à nossa volta e só vemos uma grande incógnita, quantas vezes esquecemos a promessa feita, a esperança redentora que Cristo nos traz, o regozijo da Sua vida em nós...quantas e quantas vezes esse sábado se repete sobre nossas vidas não é mesmo?
       Mas há um fator que faz toda a diferença me meio ao luto, à dor e ao sofrimento: o nosso posicionamento em meio a eles!
      Que possamos assim como o profeta Jeremias, declarar: “Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança: Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade! Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, nele porei a minha esperança. O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está nele, para com aqueles que o buscam” Lm. 3. 21-25
Não se detenha ao sábado, lembre-se do domingo, viva a realidade do domingo, afinal de contas, Jesus ressuscitou, Jesus vive, há esperança!

Que Deus o abençoe!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

A PAIXÃO DE CRISTO!


“Eram nove horas da manhã quando o crucificaram. E assim estava escrito na acusação contra ele: O REI DOS JUDEUS. Com ele crucificaram dois ladrões, um à sua direita e outro à sua esquerda, e cumpriu-se a Escritura que diz: “Ele foi contado entre os transgressores” (...) Quando o centurião que estava em frente de Jesus ouviu o seu brado e viu como ele morreu, disse: "Realmente este homem era o Filho de Deus!  Marcos 15.25-28 e 39

        Não há nome mais apropriado para chamarmos a Semana Santa do que a Paixão de Cristo! Sua vida, Sua entrega, Sua morte e Sua ressurreição traçam uma história de profunda, intensa e incomparável paixão! A paixão do Deus Criador por suas criaturas, por àqueles a quem Ele chamaria de filhos...Paixão que moveu Jesus descer dos céus, se fazer carne, viver entre nós e entregar a Sua vida em um sacrifício único, perfeito e suficiente para que fôssemos salvos e pudéssemos gozar da vida eterna.
       Nesses próximos dias estaremos meditando um pouco sobre o significado de cada dia da Semana Santa...hoje, a conhecida sexta feira da paixão, relata a história da morte desse Deus apaixonado pelo Seu povo e é sobre esse aspecto que conversaremos um pouco...sobre a morte de Jesus e seu impacto sobre todos nós....
      Não há como descrever a angústia de Jesus ao saber o que O esperava, as horas finais, o Getsêmani, as dores, a humilhação, as injúrias, os chicotes, a coroa de espinhos, a pesada cruz... De fato, era o peso do pecado de todo o mundo sendo levado nas costas de um inocente...
A crucificação era uma morte extremamente cruel, contudo, comum na época, não é à toa que junto a Jesus estavam dois ladrões. Mas a crucificação de Cristo foi única, não só porque Ele era e é o Salvador do mundo, e fez o que só Ele poderia fazer, carregando sobre Si o peso dos nossos pecados, dos nossos sofrimentos, das nossas dores, mas também foi única porque ele era totalmente inocente, inocente não só dos crimes os quais o acusavam, blasfêmia e rebelião, mas inocente de todo pecado. Como lemos em I Pedro 2.22, "Ele não cometeu pecado algum, e nenhum engano foi encontrado em sua boca".
       Por mais que os fariseus o acusassem de blasfêmia, ou rebelião, o que quer que pensassem ou movesse seus corações, inveja, ódio ou quaisquer outros sentimentos que os motivaram a cometer tal atrocidade, eles sabiam que não havia nada contra Jesus.
       No livro de Isaías lemos que como ovelha muda ele foi conduzido ao matadouro.
Não consigo imaginar qualquer pessoa sendo crucificada, morta de forma lenta e cruel, em intensa agonia, falar como Cristo falou, agir como Ele agiu, e até mesmo orar por aqueles que o crucificaram: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”.
       Um dos ladrões naquele instante reconheceu que verdadeiramente Jesus era o Filho de Deus, e movido em desespero e arrependimento clamou pelo perdão e pode dizer: “Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino”. O ladrão naquele instante contemplou a Salvação e a misericórdia de Cristo que lhe respondeu: "Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso".
       Quando a hora de sua morte estava próxima, Jesus bradou: “Está consumado!” e inclinando a cabeça, entregou o Seu Espírito.
       Você sabe o que realmente significa essas palavras? Significa que você está livre, significa que o preço dos seus pecados, das suas dores, os seus sofrimentos, daquilo que te conduziria à morte eterna foi pago, foi pago com o sacrifício do Cordeiro, foi pago com o sangue de um inocente, foi pago com o sangue de Jesus.
      A despeito do que qualquer um possa pensar, ou especular sobre quem matou Jesus, a verdade é demasiadamente profunda...Foi Deus quem planejou vir e nos trazer a Salvação...ele sabia o que era preciso, ele sabia o que iria acontecer, e angustiou-se a ponto de suar sangue. Mas ainda assim ele apaixonadamente escolheu morrer por mim e por você...

Obrigada Senhor Jesus! Eu AMO VOCÊ...apaixonadamente...

quinta-feira, 21 de abril de 2011

A PÁSCOA PERFEITA!


         A Páscoa para muitos é apenas um feriadão, um tempo de descanso, de fazer uma viagem, ir para Gravatá curtir os shows...ou até mesmo época de sair da dieta, devido aos deliciosos ovos de chocolates, mas minha proposta hoje é que possamos refletir o que significa de fato a Páscoa, e se tendo entendimento disso, se temos nos proposto a vive-la em seu real significado.
        A primeira páscoa ocorreu no Egito, época em que os filhos de Israel viviam como escravos, oprimidos pelas duras mãos do faraó, talvez muitos de vocês já tenham ouvido falar das 10 pragas do Egito não é mesmo?
        Pois é, aqui estamos diante da décima praga, naquela noite, o anjo da morte visitaria o Egito e mataria a todos os primogênitos, desde os animais até o filho de Faraó. Para escapar da destruição não bastaria ser pessoas boas, religiosas ou israelitas, o livramento se daria mediante a obediência ao que Deus determinara.
        As famílias deveriam reunir-se e cada uma deveria matar para si um cordeiro; o sangue deste cordeiro deveria ser passado nos umbrais das portas para que  quando o anjo da morte viesse naquela noite, passasse direto da casa que estivesse marcada com o sangue do cordeiro. Naquele dia, as famílias comeriam a carne do animal juntamente com ervas amargas e pão sem fermento. Naquela mesma noite, os israelitas saíram do Egito, foram libertos do jugo da escravidão.
       Páscoa, como o próprio nome diz, significa "passar por cima", ou seja, o anjo da morte passou por cima daqueles que estavam protegidos pelo sangue e não os destruiu. Se você deseja conhecer a história da primeira páscoa melhor detalhada leia os capítulos 11 e 12 do livro de Êxodo.
       Mas há um versículo primordial nessa história: “Este dia será um memorial que vocês e todos os seus descendentes o comemorarão como festa ao Senhor. Comemorem-no como decreto perpétuo.” (Êxodo 12.14).
      A partir desse dia, em todos os anos, os israelitas comemoram a páscoa, matando um cordeiro, comendo sua carne, com as ervas amargas e o pão sem fermento.
      Quando lemos a Bíblia do começo ao fim, muitas coisas vão ficando mais claras à medida que vamos avançando na leitura... O significado da Páscoa é um exemplo. Naquela época os israelitas comemoravam a libertação da escravidão com o sacrifício de um cordeiro, mas Deus em sua imensa sabedoria, sabia o que de fato significaria a Páscoa anos mais tarde, essas comemorações seriam apenas símbolo da páscoa perfeita, do sacrifício perfeito, do Cordeiro perfeito: JESUS CRISTO!
       Hoje, comemoramos a Páscoa em seu sentido mais profundo, o sacrifício de Jesus para nos libertar da escravidão do pecado, o sangue do Cordeiro de Deus derramado para nos lavar e fazer com que a morte eterna passasse adiante de nós. Medite nesse final de semana sobre a importância dessa celebração, da Ceia, da morte e da ressurreição de Cristo, pois foi através do Cordeiro, de Jesus, que pudemos enfim ter a salvação e a vida eterna!

“Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.”
I Coríntios 5.7

Uma feliz Páscoa a todos!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

O QUE TEM MOVIDO O TEU CORAÇÃO?

       Queria compartilhar com vocês a história de um homem, o seu nome era Simeão! A Bíblia relata muito pouco sobre ele, mas o breve relato de sua história narrada em Lucas 2.25-35 traz importantes lições para todos nós. Vamos primeiramente ao texto...

       "Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão, que era justo e piedoso, e que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que ele não morreria antes de ver o Cristo do Senhor. Movido pelo Espírito, ele foi ao templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para lhe fazer conforme requeria o costume da lei, Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: "Ó Soberano, como prometeste, agora podes despedir em paz o teu servo. Pois os meus olhos já viram a tua salvação, que preparaste à vista de todos os povos: luz para revelação aos gentios e para a glória de Israel, teu povo". O pai e a mãe do menino estavam admirados com o que fora dito a respeito dele.
E Simeão os abençoou e disse a Maria, mãe de Jesus: "Este menino está destinado a causar a queda e o soerguimento de muitos em Israel, e a ser um sinal de contradição, de modo que o pensamento de muitos corações será revelado. Quanto a você, uma espada atravessará a sua alma".

         Agora façamos uma viagem no tempo. Há aproximadamente 2011 anos atrás. Um menino havia nascido, e conforme o costume do povo judaico, após oito dias este mesmo menino foi circuncidado e seu nome foi colocado: JESUS. Sim, naquele momento o Salvador havia chegado a este mundo. Do nascimento até a apresentação no templo passaram-se aproximadamente quarenta dias, que era o período de purificação após o parto, segundo o costume daquele povo. Assim, findo este período, a criança era apresentada no templo para ser consagrada ao Senhor e um sacrifício era feito. Por não possuir muitos recursos, José e Maria ofereceram duas rolinhas ou dois pombinhos como sacrifício.
        Aquele de fato era um momento de extrema importância para aquela família, afinal de contas Deus se fez carne, mas para aquele jovem casal, eles ali estavam cumprindo a tradição, fazendo tudo quanto necessário segundo o costume judaico, e tudo parecia transcorrer na maior normalidade, até um impactante encontro, o encontro com Simeão.
        O autor do evangelho de Lucas descreve Simeão como um homem justo e piedoso, isso nos revela que de alguma forma este judeu era respeitado e reconhecido pelas suas virtudes de justiça e piedade. Assim, como Simeão, também devemos ser reconhecidos como pessoas de bem, moralmente corretos, pessoas ativas na sociedade, reconhecidas por fazer a diferença no mundo. Além de ser reconhecido pelas virtudes morais que possuía, Simeão era reconhecido como um verdadeiro servo de Deus, um homem de fé, que aguardava pacientemente a promessa do Senhor revelada pelo Espírito Santo, que antes de morrer seus olhos veriam o Messias, o Cristo, a esperança da consolação de Israel. Simeão era movido por esta esperança, de um dia encontrar-se com o Messias, que representaria não só a salvação, mas também a libertação de todos os povos.
        No verso vinte e cinco, lemos que o Espírito Santo estava sobre ele. Isso nos mostra que Simeão tinha um relacionamento com Deus...observamos no breve relato de sua história que o Espírito Santo revelou-se a ele, estava sobre ele, e direcionou seus passos, uma vez que foi o Espírito que impulsionou a ida de Simeão ao templo, rumo ao encontro com o menino Jesus. Quantas vezes temos medo de sermos levados para onde não queremos, porque não compreendemos os propósitos eternos de Deus?
       Simeão conhecia a história do seu povo, as lutas, os sofrimentos, as opressões, bem como a esperança que havia de vir o libertador. Imagine a alegria tamanha que Simeão teve ao ver entrar pelas portas do templo o Salvador do mundo. O texto diz que Simeão tomou Jesus nos braços e louvou a Deus, dizendo: "Ó Soberano, como prometeste, agora podes despedir em paz o teu servo. Pois os meus olhos já viram a tua salvação, que preparaste à vista de todos os povos: luz para revelação aos gentios e para a glória de Israel, teu povo”.
        Atônitos, José e Maria ficaram admirados com o que fora dito a respeito dele. Mas Simeão não podia se conter ao ver a promessa cumprida, seus olhos contemplando o Messias, o Salvador ao alcance de suas mãos, a promessa enfim concretizada.
        Já naquele encontro vemos o posicionamento profético de Simeão, ele declarou que Jesus era luz para revelação aos gentios e para a glória de Israel, talvez se os fariseus o tivessem ouvido o teriam chamado de herege, afinal de contas ele também falou sobre salvação para os gentios, mas Simeão fora movido  pelo Espírito do Senhor, e em todo instante se posicionou como um profeta de seu tempo. Nós somos chamados a sermos profetas do nosso tempo, a não se calar, a não temer diante dos possíveis opressores que nos cercam, nós somos chamados a sermos a encarnação de Cristo no mundo, a seguir o Seu exemplo, falar o que Ele  falaria, viver como Ele viveria e a proclamar a libertação e a esperança àqueles não tem mais esperança, aos injustiçados, aos angustiados, aos sedentos.
        Simeão, profeta de seu tempo, abençoou aquele jovem casal, e dirigiu-se a Maria dizendo: "Este menino está destinado a causar a queda e o soerguimento de muitos em Israel, e a ser um sinal de contradição, de modo que o pensamento de muitos corações será revelado. Quanto a você, uma espada atravessará a sua alma". Quanta profundidade vemos naquela declaração de Simeão....
       Profeticamente Simeão proferiu palavras de poder e esperança, pois sabemos que a mensagem de Jesus dividiu a Casa de Israel, pois muitos se levantaram ou caíram por aceitar ou rejeitar Suas palavras, assim como nos dias de hoje.
       É bem provável que aquelas palavras ditas por Simeão tenham sido um tanto  duras para aquele jovem casal, especialmente para Maria, que apesar de ter a alegria de amamentar, criar e cuidar do Filho de Deus, seria brevemente ferida com uma espada que atravessaria sua alma, a tristeza ao ver Jesus durante suas horas de sofrimento na cruz do Calvário. 
       Muitas lições podemos extrair do breve relato bíblico sobre este personagem, Simeão. Devemos ser reconhecidos como agentes de transformação, pessoas que fazem a diferença em seu tempo. Servos de Deus, tementes a Ele, dedicados, obedientes. Devemos nos posicionar como profetas dessa geração, como boca de Deus em meio às opressões e injustiças que nos cercam. 
      Quero deixar para nossa meditação...
     O que tem movido o teu coração? O que tem impulsionado as suas ações? Você tem se permitido ser guiado pela vontade, pelo Espírito de Deus? O que tens feito com tuas mãos, com teus lábios, com teus gestos? O que a tua boca tem anunciado? De que teu coração está cheio? Pois aonde estiver o teu coração, aí também estará o teu tesouro...
     Pensemos em Simeão nesse instante...que permitiu ser guiado pelo Espírito Santo de Deus,e teve alegria de ver a salvação diante dos seus olhos...
      Hoje, a salvação também está ao alcance de nós, ao alcance do nosso coração...se você ainda não recebeu a Jesus Cristo como Senhor e Salvador da sua vida, tente fazê-lo agora, de todo coração, é simples...está a um passo de uma oração...simplesmente declare: Senhor Jesus, eu te recebo em minha vida, aceito o sacrifício que o Senhor fez pelos meus pecados na cruz do calvário, te recebo e te aceito como Senhor e Salvador da minha vida, guia meus passos Senhor Jesus...simples assim!
      Se você já conhece e caminha com Cristo, renove seus votos nesse instante, viva o real significado da Semana Santa, e assim como Simeão, que possamos anunciar que há um Salvador, há um libertador, afinal de contas JESUS VIVE!

Inspirado e Adaptado de um Sermão de Carlinhos.

terça-feira, 19 de abril de 2011

ESPERANDO CONTRA A ESPERANÇA

Esta semana foi a chegada do Cursilho, cheguei logo cedo na igreja com meus amores, meu noivo Cacá, minha mãezinha e minha linda sobrinha Larissa, tomamos aquela maravilhosa sopa de batatas vendida na cantina e corremos para o templo para pegar um bom lugar e poder ver tudo bem de perto... Tudo transconrria na mais perfeita normalidade e alegria dignas de uma chegada de Cursilho, os louvores estavam ótimos, a pregação do Pr. Geison estava fantástica, até que em determinado momento olhei para o meu pulso e vi a pulseirinha das 12 horas de louvor que acabara de comprar...Nela estava escrito: NÃO DESISTA DOS SEUS SONHOS!

Aquilo de repente saltou aos meus olhos de tal forma que não pude conter as lágrimas...tentava me controlar a todo custo, mas elas insistiam em escorrer pelo meu rosto cansado, pelo meu coração ferido...Naquele momento, no entanto, me senti abraçada por Deus, acalentada, era como se a espada da esperança atravessasse meu peito e me fizesse lembrar daquilo que estava minguando em meu coração, do sentimento de esperança roubada quando atravessamos o vale...

Escrevendo agora, lembrei-me do versículo de Romanos 4 que fala sobre Abraão e em determinada altura do texto, Paulo diz: Abraão, contra toda esperança, em esperança creu....Foi exatamente assim que me senti naquele moemnto...contra toda esperança eu cri.

Estava meditando sobre os heróis da fé, em como Deus agiu através deles, e em como Deus às vezes tem meios nada convencionais para realizar suas infalíveis promessas... Quem diria que grandes vitórias dos heróis da fé viriam após uma sucessão de aparentes derrotas...

Mas as vitórias vieram...e é nisso que me apego...nesse Deus maravilhoso capaz de me tirar do vale, devolver meu riso e lanças fora toda incerteza que insiste em me cercar...

As dificuldades financeiras, o desemprego de Carlinhos, o meu, as pressões dos opressores, a descrença das pessoas, as limitações, a ansiedade, a angústia, o pânico, não são maiores que o nosso Deus...

Pela fé venceremos, iremos correr atrás de uma estabilidade, construiremos nossa família, geraremos filhos carnais e espirituais, avançaremos e doaremos o nosso coração ao Reino de Deus, pois esse é o clamor de nossos corações...

Sim, é difícil, às vezes dá vontade de jogar a toalha e levantar a bandeirinha branca, por vezes é desestimulante olhar para todos os lados e não ver saída, não enxergar possibilidades, só um amontoado de tentativas frustradas, mas ainda assim, olharemos para o alto na esperança de ao fim poder declarar assim como Abraão...contra toda esperança, em esperança creu!